10.9.04

A LAGARTIXA E O JACARÉ 3 (Setembro 2004)

O QUE É QUE É HOJE NOTÍCIA?

Futebol. Futebol. Futebol, a máquina que nunca para. Jogos de primeira, um noticiário completo. Jogos de segunda, metade do noticiário. Jogos de terceira, um quarto do noticiário. Antes dos jogos, uma semana de declarações e incidentes com as declarações. Barulho, bravado, peito cheio, pedidos de desculpas, insinuações, acusações, “blackouts”, “só entras tu que respeitas o clube”, drama, corrupção, intrigas, etc., etc. “Eu disse isso ontem? Já não me lembro.” Agressões no jogo? Não, “os jogadores vivem o jogo com muita intensidade”. Relatos médicos, constituição das equipas, entra este, sai aquele, aqueloutro está zangado por não entrar, fala o treinador “aqui mando eu”, fala o jogador, “não foi isso que eu disse, são especulações”, etc., etc. Chegada aos jogos, saída dos jogos. Entrevistas à entrada nos dias habituais. Sócios vociferantes, um homem que se chama o “barbas”, Eusébio passeado como mascote. O que comem, o que não comem. Médicos, massagistas, famílias avindas e desavindas. E não se esqueçam, deixem lá estar as bandeirinhas, que a pátria é nos estádios que “se sente”. “Portugal é o estádio da Europa”. Pois é.

Acidentes, grandes e pequenos. Muitos mortos está bem, manda-se uma menina perguntar às pessoas como se sentem. Ou aos familiares dos mortos como é que soube que ia ser familiar dum morto. Acidentes pequenos, quando não há grandes, pergunta-se ao GNR ou ao bombeiro. Procurar a culpa, sempre procurar a culpa.

Atrasos de aviões, ideal para o Verão. Comprou uma viagem barata ao Brasil, ao paraíso de Fidel, à terra do Porfírio Rubirosa (não sabe quem é? Vá estudando que o homem é um Paradigma de políticos), a essa nova qualidade de sítio que são “os resorts”? Pois prepare-se que os aviões também são baratos e o serviço péssimo. Cinco minutos de telejornal, mais um pré-anúncio à cabeça. Grupos de veraneantes estudando o canto mais obscuro do aeroporto, depois de ter ido mil vezes ao “free-shop” experimentar os perfumes. Imensa gente, mulheres, homens, com fitinhas de pano nos pulsos. Que será? Ferro de marcar? Porta vozes espontâneos entre os passageiros não faltam. Toda a gente quer dizer alguma coisa na televisão. Televisão para o escritório, para a repartição de finanças, para o “coffee-point”, onde se discutem as férias do próximo ano.

Tragédias da vida real. Pessoas doentes, acamadas, tristes, que precisam de uma cadeira de rodas, que vivem a um canto do mundo dão sempre uma boa história “de vida” para cativar o público feminino, os velhos, os doentes que estão do outro lado do ecrã. Para além de mais há sempre um benemérito que dá, nos próximos cinco minutos, a cadeira de rodas. Dores, camas pobres mas arranjadas para quando a televisão aparece. Mulheres chorando a pedir uma casinha. Agora, adeus, vamos ao próximo doente.

Tudo o resto, que maçada!

Agora imaginem o que é crescer assim, banhado nesta televisão do Terceiro Mundo, que sabemos ser hoje o principal factor de socialização nas crianças. É possível mais tarde inverter as prioridades do ecrã? Duvido. Como em muitas coisas dependerá da origem social, algumas das mais ricas inverterão a situação e será delas o poder da televisão do futuro.


NÃO HAVERÁ AÍ UMA PEQUENA CONTRADIÇÃO?

Toda a gente que fala dos males do país refere os dilemas da nossa educação, má preparação profissional, baixa qualificação, resultados desastrosos em todos os indicadores decisivos – língua nacional, primeira língua estrangeira, física, matemática – iliteracias diversas, como factor decisivo do nosso atraso. Depois, na economia da nossa discussão pública e do escrutínio da comunicação social, os ministérios-chave (educação, universidade, ciência, formação profissional), esses problemas são tratados como de importância secundária, como se viu na discussão da constituição do governo. Não nos tomamos a sério ou o nosso atraso leva a vermos sem ver.

PESO DA HISTÓRIA

Cada um tem o peso da história que pode suportar. Os portugueses vivem dobrados ao peso dos descobrimentos, os gregos da antiguidade clássica. Os Jogos Olímpicos “modernos” colocam a questão aos gregos, hoje vivendo na memória de um passado glorioso e de um presente suficiente. Somos os mesmos? Os portugueses de hoje são os mesmos que iam com Fernão Mendes Pinto matar chineses e saquear barcos e fazendas? E os gregos são os mesmos das Termópilas ou da retirada dos dez mil? Bem sei que há muito de retórica na pergunta e que a pergunta é traiçoeira. Somos e não somos. É a insegurança do presente que faz a pergunta. A mesma pergunta foi feita no passado, exactamente no momento em que hoje a consideramos desnecessária. Sá de Miranda, fê-la quando via o reino despovoado pela canela, ele também sentindo-se inseguro. Mas, varrida quase toda a retórica, varrida a insegurança, sobra um resíduo de perturbação que ainda dá uma réstia de sentido à pergunta. Eça escreveu um esboço de resposta na Ilustre Casa de Ramires, uma metáfora sobre Portugal, e nalgumas ironias de Fradique Mendes. Se calhar somos o mesmo, a nossa “organização” é que não é a mesma e por isso estamos pior.


AS EXECUÇÕES IRAQUIANAS

Apesar de alguns tímidos protestos ocidentais as execuções de estrangeiros no Iraque não merecem sequer uma manifestação de rua, muito menos uma indignação a sério. Essas estão reservadas para o presidente Bush. Os trabalhadores turcos, os motoristas paquistaneses, os membros de organizações humanitárias, os responsáveis pela ONU, pela UNICEF, pela OMS, os trabalhadores que estão a ajudar o Iraque a ter electricidade e água e serviços básicos, os jornalistas ocidentais, são um alvo fácil e perturbador. Perturbador porque atinge o próprio esforço de estabilização do Iraque e de melhoria das condições de vida, fundamental para a retomada da plena independência e soberania.
Agenda dos assassinos? Simples. A da Al-Qaeda é a que se conhece. A dos rufiões do Baas, militares, burocratas, membros da polícia secreta, é também simples: impedir a todo o custo a democratização do Iraque e fomentar o conflito civil para manter a maioria da população, os xiitas em particular, debaixo de uma ditadura férrea. A tiro, bomba e espada (para decapitar os reféns) pretendem regressar ao poder, para brutalizarem os seus concidadãos, e viverem na corrupção e opulência habitual, temidos pelos vizinhos, colocando os seus filhos nas universidades estrangeiras, comprando Chanel para as esposas, e mobílias de torcidos e tremidos em dourado para as suas casas confortáveis. Vale bem o custo de meia dúzia de dólares a bandos de assassinos para executarem um estrangeiro. São tão nacionalistas como eu sou zulu e, como eu não sou zulu, custa-me ver a imensa indiferença politizada face a estes crimes terroristas nas nossas protegidas costas ocidentais. Vítimas da perversa ideia que não são eles que os mataram, mas sim “nós”, talvez o presidente Bush.

2 Comments:

Blogger polittikus said...

Os tempos mais próximos não vão melhorar, pois tudo indica que o Sr. Bush ficará na Casa Branca por mais 4 anos. Ou seja a guerra vai ser longa, estupida e com motivos vazios...

6:18 da tarde  
Blogger Dene' said...

Hi, I was just surfing around and found your page!
Very cool,I didn't know you could find all this interesting stuff.
If you are interested, go see my Perfume related site.
It isnt anything special but you might still find something of interest.

2:44 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home